COMENTANDO:
A velocidade da luz

Sempre pensei que aprender a ler é um caminho sem volta, tente passar por uma placa, olhar para ela e não a ler...impossível!

Enxergar a realidade também é um caminho sem volta e esses caminhos as vezes não se mostram tão bons, geram um certo desconforto no viver. Acredito que para conviver com isso é necessário se fazer criativo, criar para suportar o que se vê, o que se é.

A guerra também é um caminho sem volta, como no caso de Rodney que viveu a guerra do Vietnã e tentou voltar para caminhos que jamais alcançou não só metaforicamente mas também no seu dia a dia, no concreto o que o tornou etéreo, um fantasma e, quem ouve suas histórias também esbarra nesse caminho pois algo internamente se modifica, a ingenuidade deixa de existir e o mundo se modifica na visão de quem a vive.

O sucesso e a fama também é um desses caminhos sem volta, o anonimato desaparece, a vaidade pode tomar conta da vida do famoso e fazer com que se perca em valores distorcidos.

São dessas incertezas humanas que o livro fala, desses desejos muitas vezes não sabidos só desejados que levam a caminhos não pensados e cheios de surpresas.

Sendo assim, não podemos esquecer que tem coisas que se perdem para sempre e a vida é uma delas, por isso ocupe-se em viver a vida e não a morte.

Boa leitura!

Autor: Javier Cercas
Categoria: Adulto
Editora Biblioteca Azul
Publicação: 2001
Fonte: Link:

post de: Nan Lourenço

AUTORIA DO LIVRO

Javier Cercas




Javier Cercas

Javier Cercas nasceu em 1962, em Ibahernando, Cáceres. Entre suas obras, destacam-se o livro de contos El Móvil (1987), os romances El Inquilino (1989 e 2000) e El Vientre de la Ballena (1997), as coletâneas de artigos Una Buena Temporada (1998) e Relatos Reales (2000) e um livro de ensaios La Obra Literaria de Gonzalo Suárez (1994). Trabalhou durante dois anos na Universidade de Illinois. Desde 1989, leciona literatura espanhola na Universidade de Gerona. É colaborador habitual na edição catalã do jornal El País.

Outros Posts


PARCEIROS: