COMENTANDO:
O Que o Dia Deve à Noite

is aqui um livro triste, apaixonante e escrito poeticamente, fazendo com que mesmo quando lemos a tristeza, sorrimos com a maneira que os acontecimentos são descritos e vividos por cada personagem.
O protagonista e narrador do romance é Younes ou Jonas. É um romance que acontece na época de 1930, mostrando conflitos que assolavam a Argélia: a segunda Guerra Mundial, a guerra da independência do domínio francês e a revolta dos mulçumanos.
É neste cenário que o pai de Younes perde suas terras e se vê na completa miséria, tendo que mudar com sua família para uma favela em Orã, cidade onde mora seu irmão farmacêutico com um padrão de vida muito diferente do seu.
Sendo devorado pela miséria e sem perspectiva de se distanciar dela, o pai de Younes procura salvar o que possuí de mais valioso, seu filho, dando-o aos cuidados de seu irmão e sua esposa para que possa ter uma vida digna merecida a todo ser humano.
Toda dor sentida por esse pai e essa mãe que renunciam o convívio com seu filho para que este se salve dessa desesperança humana, faz sangrar a alma e, conseguimos sim, senti-la e compartilhá-la com eles no decorrer de cada parágrafo lido.
A miséria é descrita com tanta propriedade que dá para vê-la em nossa frente, deixando-nos com a sensação de querer fugir rápido dela e de toda desgraça humana que ela gera.“... tão velha quanto o mundo e mesmo assim espantosa. ”Younes passa, então, a viver dividido entre a fidelidade a sua nova vida com maior convívio com os argelianos de origem francesa e a solidariedade a seu povo árabe. Sabe que cedo ou tarde terá que escolher um dos lados e sabe também, que se não o fizer os acontecimentos decidirão por ele.
E, assim, tendo esperança, vamos percorrendo um livro que mostra tanta cultura sendo massacrada, deixada de lado, escondida em becos miseráveis e forçada a se calar. Vamos visitando os sentimentos de Younes com seus conflitos, dores e perdas enormes e vamos torcendo para que tudo se organize e que a vida consiga atingir o propósito de ser leve, como imaginamos que deveria ser.
Comentando postado em 06/06/2016
Autor: Yasmina Khadra
Categoria: Adulto
Editora Argumento
Publicação: 10/01/2011
1ª Edição
Fonte: Link: https://en.wikipedia.org/wiki/Yasmina_Khadra

post de: Nan Lourenço

AUTORIA DO LIVRO

Yasmina Khadra




Yasmina Khadra - Moulessehoul, um oficial do exército argelino, adotou o nome de sua esposa como um pseudônimo para evitar a censura militar. Apesar da publicação de muitos romances de sucesso na Argélia, Moulessehoul só revelou sua verdadeira identidade em 2001, após deixar o exército e ir para a França. Ele deixou o exército como um dos principais em 2000. O anonimato era a única maneira para ele para sobreviver e evitar a censura durante a guerra civil argelina. Em 2004, a Newsweek aclamou como "um dos raros escritores capazes de dar um significado à violência na Argélia hoje."


Outros Posts


PARCEIROS: